­Top Banner Advertisement

 

Foto de Pedritta Garcia
Perita do Paraná integra força tarefa para identificação de vítimas em Brumadinho

Uma perita criminal do Paraná está entre as centenas de profissionais que atuam na força tarefa de Brumadinho, município mineiro onde ocorreu o rompimento de uma barragem de resíduos pertencente à mineradora Vale. A tragédia ocorreu no dia 25 de janeiro e deixou quase 400 desaparecidos. Patrícia Doubas Cancelier é coordenadora da Comissão de Identificação de Vítimas de Desastres em Massa da Polícia Científica e foi enviada para Minas Gerais para auxiliar na identificação de vítimas a pedido da Polícia Federal.

A comissão da qual Patrícia Cancelier faz parte existe há seis anos. Segundo ela, desde 2013, os peritos desenvolvem protocolos junto à Polícia Federal e contribuem para “escrever um Manual de Perícias em Situações de Desastres em Massa” que agora está sendo aplicado na região do desastre. De acordo com ela, o procedimento para identificação dos corpos é realizado primeiramente por papiloscopia. Caso o corpo não seja identificado, são elaborados exames a partir da arcada dentária da vítima e, em último caso, é solicitado um exame de DNA.

“É uma experiência única. Além do aprendizado, é uma oportunidade de ver como o trabalho desenvolvido há mais de cinco anos sendo efetivamente aplicado”, afirmou. A perita disse esperar que a sua colaboração na força tarefa possa minimizar o sofrimento das famílias que aguardam o resgate e a identificação dos desaparecidos. Patrícia Cancelier ainda se comprometeu em conversar com a assessoria do Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná (Sinpoapar), assim que retornar a Curitiba, para relatar como foi a experiência em Brumadinho.

Além da perita criminal, três bombeiros pertencentes ao Grupo de Operações de Socorro Tático (Gost) também estão em Brumadinho para, conforme o Governo do Paraná, trabalhar na preparação de atividades que podem ser executadas por forças paranaenses caso haja convocação da Defesa Civil de Minas Gerais.

Com informações da .

Assessoria de Comunicação - Sinpoapar

  • Comentários

0 Comentários

Top