­Top Banner Advertisement

 

Foto de Márcio Alexandre
Sinpoapar reforça pedido por mais nomeações em evento no Palácio Iguaçu

O Sinpoapar (Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná) esteve representado em evento com a governadora do Paraná, Cida Borghetti, nesta segunda-feira (30) no Palácio Iguaçu. Na oportunidade, o presidente da entidade, Alexandre Brondani, entregou pessoalmente a ela um documento que reforça a necessidade de fortalecer e valorizar o quadro de servidores da Polícia Científica do estado.

No documento, o Sinpoapar informa à governadora que das 23 Áreas Integradas de Segurança Pública (AISP) existentes, o Instituto Médico Legal (IML) está presente em 18 delas, e o Instituto de Criminalística em apenas 10 AISP. “Fato que configura o desequilíbrio entre os órgãos de segurança pública”. A ausência de seções do IML e do IC nas demais áreas integradas tem sérias consequências, como o maior tempo e distância de deslocamento para atendimento aos locais de crimes.

Somado a isto, continua o documento entregue a Cida Borguetti, está “o atraso no atendimento das ocorrências, a demora na liberação do local e das demais equipes, o aumento de gastos com combustível e manutenção de viaturas, a baixa eficiência no uso de recursos públicos e a deficiência no atendimento à população”. As poucas seções da Polícia Científica funcionam com número insuficiente de peritos e auxiliares. Contingente que cai, ano a ano, com o desligamento de servidores por aposentadoria, exoneração ou falecimento: somente nos últimos 8 anos, o QPPO perdeu 143 servidores por aposentadoria, exoneração ou falecimento; e hoje conta com apenas 16% do seu efetivo.

“Até o início de abril de 2018, haviam 494 vagas a serem preenchidas nas classes de acesso ao quadro da perícia oficial do Paraná”, aponta o documento. Para atender a crescente demanda de serviços periciais pelos órgãos de segurança pública e da Justiça, existe a lei estadual 18.008/2014, que estruturou e ampliou o QPPO – legislação esta que permite ao Governo do Paraná contratar servidores de carreira para preencher as vagas ociosas, através da nomeação dos aprovados no concurso de 2017. “A tramitação nos Poderes Executivo e Legislativo, que precedeu a promulgação da lei 18.008, permitiu que se encontrem atendidos os requisitos legais e de impacto orçamentário para a nomeação dos aprovados”, defende Brondani.

“As carreiras da perícia oficial do Paraná encontram-se entre as menos valorizadas dentre os estados da federação, e até mesmo se comparada às demais carreiras da segurança pública no Paraná”, ainda destaca o Sinpoapar, que pediu à governadora a abertura de diálogo, no sentido de promover o reconhecimento, o fortalecimento e a valorização do quadro de servidores da Polícia Científica.

O evento

Conforme a Agência de Notícias do Paraná (AEN), a solenidade no Palácio Iguaçu desta segunda-feira marcou a primeira reunião de integração das forças de segurança do Estado do Paraná, quando a governadora assinou do decreto que cria a Secretaria Especial de Administração Penitenciária – antes vinculada à SESP (Secretaria de Estado de Segurança Pública). O gestor da nova pasta será o coronel da Polícia Militar Élio de Oliveira Manoel.

Assessoria de Comunicação

  • Comentários

0 Comentários

Top